Les textes de ce site légitimiste n’engagent pas la personne de Louis XX

Vive le Roy
Unir les peuples de France dans l’amour du Roi

Artigos mais recentes



S. Tomas de Aquino ou a Fé e a Razão, por Guy Augé (1974)

O Tomismo é um método não um sistema

Tal como a lei revelada, também a lei natural é uma manifestação da vontade divina. Se a Igreja é a guardiã da Revelação, a lei natural é por ela própria acessível a qualquer inteligência pela observação do real. Ora a política é tão natural como a Cidade: por isso quando S. Tomas quando trata da ciência política não hesita em integrar o pensamento dos sábios pagãos de tal forma a Fé e a razão não se podem contradizer. Rompendo com o providencialismo augustiniano do seu tempo, sem cair no naturalismo dum Siger de Brabante, ele reavalia a natureza humana que a Graça realiza sem nunca a destruir.

sábado 10 de Setembro de 2011 por António


As origens da Modernidade

Uma humanidade desfigurada pela sua dignidade perdida

Se para os Antigos a dignidade adquiria-se com uma vida virtuosa submetendo-se às leis da nossa natureza, para os Modernos, a dignidade do homem reside na sua liberdade. Liberdade em relação a toda a tradição, a toda a autoridade e a toda a instituição. A partir deste momento o homem já não aceita mais leis que não tenha sido ele próprio a fazer, assim sendo as pessoas, as nações, a política autonomizam-se – elas deixam de ter um limite ao desejo de poder. Mas esta falsa liberdade defendida pela Modernidade bem como o esquecimento da dignidade virtuosa apenas conduziram a humanidade à sua “alienação crescente” segundo a expressão de Hannah Arendt* e a uma hedionda caricatura dela própria.

sexta-feira 2 de Setembro de 2011 por António


Do governo representativo, por Louis de Bonald (cerca de 1835)

sobre a monarquia de Julho (monarquia constitucional fundada por Luís Filipe em 1830, nota do traductor)"

Para legitimar a sua usurpação de 1830, Louis-Philippe reivindicou uma monarquia popular por oposição à tradicional monarquia real. Bonald retoma aqui esta tentativa de síntese entre monarquia e democracia, e mostra como o abandono do regime de conselho pelo regime de oposição é prejudicial ao bem comum.. Com efeito, a existência de uma oposição constitucional, inerente ao governo representativo, torna-o impotente de tal forma ela estimula as ambições, exaspera as paixões e perverte até mesmo os mais virtuosos.

segunda-feira 4 de Julho de 2011 por António


O Legitimismo, por Guy Augé (1979)

Ou a livre obediência

Na cidade tradicional o bem comum é realizado pela obediência livremente consentida ao rei legítimo, na medida em que este mesmo está submetido a uma ordem superior a toda a vontade humana. Com a modernidade política, a vontade do homem apoderou-se de toda a ordem de que não é a fonte; já nada se lhe pode opor. Assim todo o poder que se exprime em nome da vontade geral, poder democrático ou autocrático é potencialmente totalitário. No entanto muitos monárquicos e católicos, esquecendo-se do que é legitimismo, esperam conseguir restaurar a polis com as armas da modernidade: uns pelas urnas, outros pelo golpe de estado do bom ditador, ou mesmo os dois...

sexta-feira 6 de Maio de 2011 por António


O Mecanismo das Sociedades de pensamento, por Augustin Cochin

A liberdade absoluta do indivíduo garantia da escravatura das massas.

Da loja maçónica ao sindicato, da célula do partido ao Parlamento, a máquina democrática promove uma liberdade análoga à liberdade de movimento de uma locomotiva nos carris. Impossível afastar-se do caminho da opinião elaborada secretamente por aquilo a que Augustin Cochin designa por “círculo interior”. Se o rebanho votar mal, ele será “trabalhado” até que a moção preparada pelo círculo interior seja aprovada. Esta moção será então apresentada como um progresso, como algo de adquirido, e que nada mais o poderá questionar.

sexta-feira 1 de Abril de 2011 por António


Discurso sobre a Revolução, de Alexandre Soljenitsyne em Lucs-sur-Boulogne (1993)

A Revolução, infelicidade dos povos

Já em 1978 o grande historiador francês escrevia: “a obra de Soljenitzine veio colocar a questão do Goulag no mais profundo do desígnio revolucionário; é inevitável que o exemplo russo venha afectar por ricochete a sua “origem francesa” (….) Hoje o Goulag leva-nos a repensar o Terror, devido à identidade do projecto. As duas revoluções continuam ligadas.”* Foi por isso com toda a naturalidade que em 1993 Soljenitzyne presidiu à inauguração do Memorial da Vendeia, no local do “Oradour-sur-Glane” jacobino, para aí relembrar a filiação directa dos totalitarismos do século XX com a I República genocida.

terça-feira 1 de Junho de 2010 por António, MabBlavet

Página inicial do sítio | Contacto | Mapa do sítio | |